Leila Pereira avalia seu primeiro ano na política do Palmeiras - Nação Palmeirense - Blog da Torcida Palmeirense Leila Pereira avalia seu primeiro ano na política do Palmeiras - Nação Palmeirense - Blog da Torcida Palmeirense

PUBLICIDADE

Leila Pereira avalia seu primeiro ano na política do Palmeiras

Conselheira desde fevereiro, patrocinadora que quer ser presidente comenta polêmicas e planos

Leila Pereira é a conselheira eleita com mais votos na história do Palmeiras (Foto: Reprodução)

Em fevereiro, a votação recorde na eleição para o Conselho Deliberativo já mostrava que Leila Pereira iniciava sua vida política com força no Palmeiras. Ao encerrar o primeiro ano de mandato, a empresária avalia o 2017 de polêmicas, trabalho e também satisfações pessoais:

– Era o que eu já esperava. As pessoas falavam que eu não aguentaria um ano essa política do Palmeiras. Eu tiro de letra, tranquilamente. Eu continuo sendo empresária, trabalho firme e forte diariamente. Eu trabalho pelo Palmeiras à noite, e estou direto no clube nos fins de semana – disse a conselheira, em entrevista ao GloboEsporte.com.

– Costumo dizer que o Palmeiras deu cor à minha vida. O Palmeiras me proporciona muita alegria. É impossível se envolver com futebol e não se apaixonar.

Leila Pereira passou a ganhar espaço na vida política do Palmeiras em 2015, quando a Crefisa decidiu patrocinar o clube. Nos anos seguintes, agregou também a exposição da marca da FAM (Faculdade das Américas), contrato que renderá aos cofres do Verdão cerca de R$ 78 milhões em 2018.

Em 2017, a empresária foi eleita ao Conselho após polêmica com o ex-presidente Paulo Nobre, que tentou impugnar a candidatura alegando que a inscrição no quadro de sócios do clube não permitia a ela disputar o pleito. A polêmica foi superada com apoio de Mustafá Contursi, antigo aliado e hoje desafeto por causa das investigações sobre um suposto esquema de venda ilegal de ingressos.

– O patrocinador não merecia essa exposição tão negativa, por isso que as empresas se afastam do futebol. Nenhuma empresa gosta de ver seu nome vinculado a escândalos. Uma coisa tão baixa... Mas isso não me desestimula, a grandeza do Palmeiras supera qualquer escândalo. Isso são pessoas que precisam ser alijadas do dia a dia do clube – disse Leila, que completou:

– A grandeza do clube não comporta mais esse tipo de gente. Luto pelo Palmeiras. Se o Mustafá me apoiou um dia, não é por causa disso que vou admitir qualquer conduta irregular envolvendo o Palmeiras e a minha pessoa.

Na atual temporada, a relação entre Palmeiras e Crefisa foi de parceira. A empresa foi responsável pela operação financeira nas negociações com Borja, Guerra, Luan, Juninho, Deyverson, Bruno Henrique e Fabiano, além da compra dos 50% dos direitos econômicos de Dudu que ainda pertenciam ao Dínamo de Kiev, da Ucrânia. No total, foram mais de R$ 100 milhões investidos pelo patrocinador.

Para o ano que vem, nenhum dos contratados pelo clube até agora – Lucas Lima, Diogo Barbosa e Emerson Santos – teve apoio das empresas de Leila Pereira.

– Não estou no Palmeiras para fazer negócios. O que eu quero no Palmeiras é o que os nossos milhões de torcedores querem, os títulos. Eu não acredito no bom e barato. Sem uma equipe forte, é difícil conseguir títulos – acrescentou a empresária, que quer ser presidente do clube no futuro.
Confira alguns trechos da entrevista de Leila Pereira:

Primeiro ano como conselheira


– A política do Palmeiras é sempre chata. Não conheço a dos outros clubes. Há pessoas que querem o quanto pior melhor. A maioria, tenho certeza, apoia nossas ações no clube. Algumas criticam, mas não pessoalmente. Ficam nas bordas. As informações chegam até mim. Eu não me incomodo. Fui eleita para beneficiar o clube e os associados. Quem está contra eu nem dou ouvido.

Disputa pela presidência

– Qual torcedor do seu clube não gostaria de chegar ao cargo máximo? Não sei por que dá tanta polêmica essa questão. Isso não é uma coisa em que penso diariamente. É um projeto de longo prazo. O que eu quero hoje é um Palmeiras vencedor, com clube social muito melhor do que é, o que estamos conseguindo.

– Eu não sou política. O que eu quero é colaborar com o Palmeiras hoje. A vida é agora. O torcedor quer um clube de primeira agora, quer títulos agora. Prometer um Palmeiras campeão no futuro é papo de político.

Administração de Maurício Galiotte
– Meu relacionamento com o presidente é excelente. Já era muito bom quando ele era primeiro vice. Eu acompanho o dia a dia do Palmeiras e do presidente, como conselheira e patrocinadora, e ele luta diariamente pelo clube. Se não conquistamos títulos neste ano, não foi por falta de empenho do Maurício (Galiotte), do Alexandre (Mattos) e de toda a comissão técnica. Não existe culpado. Tudo foi feito.

Eu sei que torcedor se interessa por título, mas o Palmeiras hoje é um clube modelo. As finanças do Palmeiras são excepcionais, como nunca estiveram. Em 2015 fomos campeões da Copa do Brasil, em 2016, do Brasileiro, e agora fomos vice-campeões. A última vez que havia sido (vice-campeão) foi em 1997. O Palmeiras lutava para não ser rebaixado. Hoje estamos em outro patamar. O torcedor pode esperar um grande ano para o Palmeiras.

Relação com Mustafá Contursi

– Depois que estourou esse escândalo (de ingressos), eu cortei qualquer tipo de relacionamento com ele. Sempre tive muito respeito pela figura dele. Eu tenho uma rede social com muitos seguidores e, sempre que vinha o nome dele, era uma coisa absurda a quantidade de comentários negativos. Eu não achava que era aquilo tudo. Mas, depois que esse escândalo estourou, fiquei muito decepcionada, me afastei completamente dele.
Não tive só o apoio do Mustafá (na eleição ao Conselho). Tive apoio de sócios, conselheiros, eu conversava com muita gente. Chamava 30 pessoas toda sexta-feira na minha empresa para conversar, ver proposta, falar o que eu pretendia para o Palmeiras. As pessoas acreditaram na minha pessoa. Não foi "olha, porque o Mustafá apoiou, você vai ser eleita". Pelo contrário.

Nova força política

– Não vou criar chapa nenhuma, vou sempre apoiar o presidente Maurício Galiotte. Os passos que ele tomar, eu vou estar sempre junto, confio muito na administração dele. Eu vejo que ele é um trabalhador, pensa no Palmeiras de maneira moderna, profissionaliza todas as áreas. Ele luta por isso, porque esse é o futuro. São as ideias que eu tenho também. Estaremos juntos no caminho que ele seguir.


Leila Pereira promete seguir o caminho de Maurício Galiotte (Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras)

Primeiro ano como conselheira

– Antes de ser conselheira eu já era atuante, mas não tinha cargo. Era mais parceira. Fiz bastante coisa dentro do clube. Os associados acho que estão gratos, eles me elegeram com a maior votação da história. Já fiz eventos da FAM com a minha área de saúde, fazendo check-up gratuito, teve chegada do Papai Noel, foram mais de 600 crianças, mandei comprar 3.000 presentes...
A Pastoral do Menor estava fazendo um evento no ginásio naquele dia, todas as crianças saíram com presentes... Ali transformamos várias crianças em palmeirenses, pode ter certeza. Eu pretendo continuar fazendo isso, eventos, ações, para proporcionar felicidade aos sócios. Para não me vincularem só a patrocinadora, ao futebol... Sou conselheira, tenho de proporcionar bem-estar aos associados.

Exposição das marcas da Crefisa e da FAM

– A visibilidade que um time da grandeza do Palmeiras dá para as marcas é uma coisa estonteante. Quando entrei para o futebol, não tinha dimensão da força. Desde o início quis colaborar com o Palmeiras, mas vi essa visibilidade enorme. Isso tem um preço. É evidente que eu poderia, com esse valor que eu patrocino o Palmeiras, dividir por vários clubes, mas não faço por ser palmeirense e por querer marcar uma época no Palmeiras.

– Quero que o torcedor, daqui a alguns anos, lembre essa época da Crefisa, como houve a época da Parmalat (de 1992 a 2000). É isso que me estimula a ficar só no Palmeiras. Quero ficar para marcar uma época, pela grandeza do Palmeiras, pela visibilidade que eterniza a marca.

Mensagem aos torcedores

– Esses três últimos anos foram brilhantes para o Palmeiras. Se não conseguimos conquistar os títulos que desejávamos em 2017, chegamos em segundo lugar. Em 2018, podem ter certeza de que teremos tudo para conquistar os títulos tão desejados por nós, palmeirenses. Esse vai ser o presente de Natal do Papai Noel, do patrocinador e do presidente do clube para nossa torcida maravilhosa.
Fonte: Globo Esporte

Adicione nosso site aos seus favoritos! Fique por dentro das principais noticias do Palmeiras
Leila Pereira avalia seu primeiro ano na política do Palmeiras Leila Pereira avalia seu primeiro ano na política do Palmeiras Reviewed by Julio Mateus on 09:35:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.